Obras em ritmo de conclusão

Governo entrega mais redes de captação de águas pluviais. Asfalto vem logo em seguida

625

Até o final das chuvas do período ainda vão acontecer inundações em certos trechos de Vicente Pires, onde as obras de captação de águas ainda não estiverem prontas. Mas, a partir do segundo semestre de 2019, toda a rede de captação estará concluída, de acordo com as previsões do governo e das empreiteiras contratadas para o serviço.
Nesta semana, estão sendo entregues as redes de águas pluviais das ruas 10, 10ª, 10B, 4 e 4C, Rua São Francisco, Rua do Governador e parte da Rua 5. Imediatamente após a conclusão das obras da rede começam a ser colocados os meios fios e o asfalto. De acordo com o administrador regional Charles Guerreiro, cerca de 65% das obras de drenagem de Vicente Pires estão prontas e o restante será concluída até o próximo ano. “Infelizmente não poderemos também concluir o recapeamento de toda a cidade enquanto a drenagem não icar pronta. Embora o governo tenha os recursos financeiros suficientes, não se pode atropelar ou fazer obra mal feita, como a que já existia na cidade”, explica o administrador.
Das 22 bacias de contenção, 14 estão prontas, o que vai evitar o acúmulo da água das chuvas nas ruas. As bacias de contenção amortecem a força das águas captadas pelo escoamento, que depois são despejadas num dissipador antes de cair nos dois córregos que passam pela cidade, evitando a formação de voçorocas (formação de grandes buracos de erosão causados pela água da chuva e intempéries em solos onde a vegetação não protege mais o solo, que fica cascalhento e suscetível de carregamento por enxurradas).

O que está sendo feito
O Governo do Distrito Federal está investindo cerca de R$ 463 milhões na recuperação da infraestrutura de Vicente Pires, a maior parte destinada pela União – R$ 397 milhões através da Caixa Econômica Federal), mas com contrapartida de R$ 65 milhões do governo local.
As obras incluem a adequação e recuperação das redes de esgoto (incluindo travessias aéreas), que beneficiarão cerca de 70 mil habitantes.
A implantação de infraestrutura urbana básica: 185,6 km de drenagem pluvial e 253,4 km de pavimentação asfáltica em vias com cerca de sete metros de largura, além de calçadas e meios-fios ao longo dessas vias. Com o sistema de drenagem (inclui bacias de qualidade e detenção), a água das chuvas será lançada nos córregos Samambaia e Vicente Pires, com menor impacto ambiental.
A falta de drenagem ao longo dos anos provocou assoreamento do Lago Paranoá. As obras começaram pela Gleba III, próximo ao Jóquei Clube, avançaram pela Gleba I, nas imediações da Estrada Parque Taguatinga (EPTG) e do Pistão Norte (na antiga Colônia Agrícola Samambaia) e beneficiarão cerca de 75 mil pessoas.

SHARE