Ração Social: dignidade a animais de rua

Ração, água e até casinhas são levadas para cães e gatos abandonados

545

Atualmente cerca de 5% da população animal do Distrito Federal estão nas ruas em situação de abandono. A porcentagem pode parecer pouca, mas isso significa que aproximadamente 30 mil animais, na maioria cães e gatos, estão à mercê da sorte ou até que alguma boa alma os acolha ou que sejam resgatados. Animais amedrontados, traumatizados pelo abandono ou pela violência sofrida, com o olhar aflito, sem rumo, desnutridos, desidratados e tendo que se virar para sobreviver se alimentando com o que encontram nos lixos. Incomodado com esse cenário lamentável e muito frequente nos centros urbanos, o empresário Gleison Willy, morador de Vicente Pires, decidiu fazer algo em prol dos animais de rua. A empreitada é gigante diante de tantos bichinhos famintos e machucados, não só em Vicente Pires, como também de outras cidades do Entorno, mas o empresário não se intimida diante do desafio.
Gleison, que é empresário no ramo de organização de eventos, foi motivado a partir do dia em que apareceram dois cachorros de rua em seu local de trabalho, na Rua 1 de Vicente Pires. “Fiquei com muita dó e acabei me envolvendo. Comecei a cuidar e adotei eles, e isso abriu meus olhos para a situação de tantos outros animais abandonados que ficam perambulando por aí”, conta o empresário. A partir daí, sozinho, ele começou a comprar sacos de ração e levar até os animais que não tem lar. Também no momento de levar a comida, ele troca a água, e isso virou parte da sua rotina.
Há cerca de um ano o empresário viu a necessidade de oficializar esse trabalho voluntário e criou o projeto Ração Social – o nome é uma conjuntura das palavras “ração”, “ação” e “social”. Ração é o que o projeto se propõe a levar gratuitamente. Ação é a disposição para agir em prol da causa. E social tem a ver com a comunidade em geral, já que o grande número de animais em situação de rua é um problema da sociedade.

Projeto itinerante
O Ração Social não tem uma sede fixa e não é um abrigo. O projeto itinerante tem como objetivo levar alimento para os animais de rua. O Ração Social viabiliza a ligação entre animais abandonados com os “protetores” (termo usado para pessoas comuns que fazem das suas casas verdadeiros abrigos e dão moradia para dezenas de cães e gatos), fornecendo ração para esses protetores que não tem ajuda do Governo e dependem de doações. Outra área de abrangência do Ração Social é o resgate de grande dificuldade que alguns animais são expostos e que colocam suas vidas em risco de morte.
“O Ração Social não tem um destino certo. Eu saio pelas ruas, e como já sou muito conhecido nessa área, algumas pessoas me procuram, e vendo a necessidade, vou até à loja de ração, compro e levo. Em alguns casos, como de cadela com filhotes, compro uma casinha de madeira e levo junto com a ração para que eles tenham onde se abrigar e ficarem mais protegidos. No período de chuvas também tem mais necessidade de casinhas, e assim vamos fazendo o possível e impossível para dar melhor condição de vida para esses animais sofridos, até que encontrem um destino melhor”, explica Gleison.
Em Vicente Pires, esse problema social é recorrente, afirma o idealizador do projeto. “Aqui na rua do Jockey Club eu presencio diversos carros que encostam e, sem cerimônia alguma, jogam os animais para fora – são gatos, cães de raça, viralata, todo tipo de animal. O número de abandono aqui em nossa cidade é muito grande”.

Participe
Até hoje, o Ração Social já providenciou cerca de meia tonelada de ração para cães e gatos abandonados em todo Distrito Federal e Entorno e mais de 20 casinhas de madeira para abrigar alguns casos mais vulneráveis. Todos os gastos são provenientes de recursos próprios do empresário, que busca parcerias com outros empresários do ramo de agropecuária e petshop para que um número ainda maior de animais seja atendido. Além de Vicente Pires, Recanto das Emas, Cidade Estrutural, Luziânia e Sol Nascente, também são atendidos pelo programa, pois são áreas com altos índices de animais morando na rua.
Para conhecer melhor e saber mais sobre essa iniciativa, basta acessar a página do projeto no Facebook (/racaosocial), se quiser ajudar o telefone é 99881-3006 e falar com Gleison Willy.

SHARE